Relação entre mãe e filhos

Relação entre mãe e filhos deve ser de amizade e cumplicidade

Tenho uma filha de 22 anos, com a qual enfrento alguns problemas. Nossa relação está cada vez pior e diante disso venho pedir a ajuda do Racionalismo Cristão.

Frequento casas racionalistas cristãs há cerca de seis anos, vivo com meu marido e meu filho de 20 anos, fora de meu país. Inicialmente vivia sozinha; depois mandei buscar os dois filhos. Passado algum tempo, comecei a ter problemas com a filha. Ela tem dificuldade em cumprir ordens, quer sempre fazer o que lhe apetece, e reage mal quando chamo sua atenção. Por vezes recorre à mentira para justificar os seus atos. Já chegou a fazer queixa de mim na escola, disse que eu a tratava mal.

Saiu de casa algumas vezes, voltou, mas os problemas continuaram, pois insiste em que, sendo maior de idade, pode fazer da vida dela o que bem entender. Por vezes tenho a sensação de que ela tem ciúmes de mim e que não gosta de mim.

Recentemente, foi viver na casa do namorado, justificando que pretendia a sua liberdade. Para justificar os seus atos, passa a vida a falar mal de mim, diz às pessoas que eu não gosto dela, que a expulsei de casa etc. Tinha uma relação de amizade com a mãe de seu namorado, que depressa estragou devido às constantes intrigas que ela faz, levando a sogra a proferir calúnias à minha pessoa.

Minha filha já chegou a frequentar uma casa racionalista cristã, fazíamos a limpeza psíquica, todos juntos, mas depois ela perdeu o interesse. Das poucas vezes que vem me visitar, evita fazer limpeza psíquica com os demais membros da família, chegando mesmo a propor não fazer, ou eu fazer mais tarde.

Eu e o meu marido estamos constantemente a tentar reaproximar-nos dela, mas sem sucesso, ela recusou almoçar com a família numa das festas de fim de ano, não apareceu no dia do meu aniversário; criou-se um ambiente desagradável entre mim e a família do namorado dela, não nos falamos.

Esta situação me deixa bastante triste. Meu objetivo é que houvesse paz entre todos, pois me preocupa o futuro da minha filha. Gostaria que com seus ensinamentos me pudessem ajudar a lidar com essa situação.

Resposta Prezada, o relacionamento entre mãe e filhos deve ser sempre de amizade, lealdade, respeito e, acima de tudo, cumplicidade e confiança mútua.

Muitas vezes os pais não percebem que os filhos crescem, tornam-se independentes, têm opiniões próprias que podem divergir das ideias deles. E nesse momento é necessário que haja tato e bom senso, muito diálogo e pouca reprimenda. É necessário criar situações ideais para que o jovem se sinta à vontade para externar suas preocupações, seus anseios, suas ações – boas ou más.

Será somente pelo diálogo franco e honesto, porém educado e com bons modos, nunca se deixando levar pelas emoções e nunca bloqueando o impulso e a criatividade do jovem, que os adultos poderão orientá-lo pelo caminho certo.

Se um jovem não encontra, em seu próprio lar, um porto seguro para suas aflições e confissões, vai buscar em outro local, na maioria das vezes de forma inconsistente e destorcida, alguém com quem possa desabafar, e na sua angústia e revolta por não ter sido ouvido no lar, muitas vezes, critica quem deveria, na verdade, elogiar.

Portanto, não caia nessa armadilha. Tente compreender a sua filha, ouça-a atentamente, evite o confronto, contenha-se diante de palavras inadequadas ou atitudes reprováveis. Com calma e paciência, mostre à sua filha que caminho ela deve trilhar para ser uma pessoa vitoriosa, para ter paz interior e tranquilidade para esclarecer-se e realizar o sonho de toda jovem, qual seja constituir uma família digna e honesta através do casamento, e tornar-se, no futuro, mãe exemplar.

Dê tempo ao tempo, não a massacre tentando impor-lhe a sua maneira de ser, pois isso poderá afastá-la cada vez mais. Ao contrário, faça-lhe elogios naquilo que você observar que ela se destaca, e sepulte as críticas destrutivas. Se você mudar o seu modo de ser, é provável que ela também mude, por observar que o seu lar se tornou um lugar agradável e acolhedor.

Continue a cumprir a disciplina racionalista cristã com correção e responsabilidade, confie em si e nas Forças Superiores, e lembre-se que um ambiente somente pode atrair as correntes do bem se nele houver harmonia, compreensão, alegria e amor fraterno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *